Connect with us

Ideias de negócios

Como plantar Morango gastando pouco

Plantar morango

Como plantar morango gastando pouco e sem sem cometer erros, ganhe muito dinheiro cultivando morango. Aprenda tudo: investimento, localização, equipamentos, fornecedores, mercado, concorrência, riscos, legislação, mão de obra especializada, captação de cliente, financiamento, atendimento e muito mais…

Cultivo de morango

O cultivo de morangos, atualmente, no Brasil é uma atividade agrícola especializada, que exige dedicação, conhecimentos técnicos de alto nível e utilização de métodos modernos de manejo da cultura (pontos que combinados e conduzidos em bases racionais, proporcionam rendimentos compensadores). Não foi sempre assim. Esta atividade expandiu-se principalmente a partir da década de 1960, quando o Instituto Agrônomo de Campinas (IAC) introduziu cultivares, mais produtivos de excelente qualidade, como o Campinas IAC-2712.

Cenário

A comercialização é feita ao natural, congelada (frutos inteiros ou polpa) e polpa desidratada. No Brasil, São Paulo lidera a produção de morangos. Cerca de 70% da produção é comercializada in natura e o restante para industrialização.

Quase toda a produção paulista é feita nas regiões de Atibaia, Jundiaí e Piedade. Preço mais elevados ocorrem até julho, antes do pico de produção que ocorre em agosto e setembro.

Principais produtores

Os principais produtores são Rio Grande do Sul ( produção voltada para a indústria de processamento), Minas Gerais, Paraná e especialmente São Paulo, onde concentram-se os maiores municípios produtores, voltada em sua maior parte para atender ao mercado de frutos in natura.

Dicas para iniciar

Mudas

Para produtores iniciantes, o melhor é começar com mudas compradas (normalmente no mês de fevereiro e transplantadas durante o mês de março para canteiros definitivos) até aprender os inúmeros segredos de manejo da cultura.

Optando pela produção de mudas, sabe-se que uma matriz produz, em média, 200 mudinhas, e que o ideal é plantar a matriz entre os meses de agosto e setembro, ficando as mudas prontas para serem separadas em torrões, selecionadas e lavadas a partir do mês de fevereiro, sendo transplantadas no mês seguinte para o canteiro definitivo.

Nesta seqüência, em 60 dias os primeiros frutos poderão ser colhidos. Mas são inúmeros os cuidados a serem observados, dentre eles o de que a planta é muito sensível a doenças e que se as mudas forem preparadas muito próximas às frutas que estão prontas para serem colhidas, existe o risco de contaminação.

Clima e solo

Fern, Selva e Tristar são cultivares insensíveis ao fotoperiodo; F. vesca é de dias longos; os demais mencionados são de dias curtos. Temperatura acima de 30º C inibe a floração e estimula a produção de estolhos.

A geada danifica flores e frutos, especialmente os imaturos não protegidos pelas folhas. O desenvolvimento vegetativo ocorre a partir de 9º C. O morangueiro desenvolve-se melhor em solos de textura média, sem excesso de umidade e de matéria orgânica.

Fotoperíodo e temperatura

A interação entre fotoperíodo e temperatura, influencia grandemente a produção e a qualidade do fruto do morangueiro. Às variações no fruto, decorrentes das inúmeras combinações entre fotoperíodo (“comprimento do dia”) e temperatura, denomina-se adaptação regional ou ambiental.

Enfim, temperatura e “comprimento do dia” afetam substancialmente as qualidades comerciais do fruto: regiões mais quentes produzem morangos mais ácidos e menos saborosos; regiões de clima temperado (com dias ensolarados e noites mais frias) produzem frutos com melhor sabor, mais adocicados, firmes e com um aroma agradável; por sua vez, dias curtos estimulam a produção de frutos e dias longos favorecem a fase vegetativa da planta, isso quer dizer: estimulam a formação de estolhos.

Época de plantio

O morangueiro é plantado desde o sul de Minas Gerais até o Rio Grande do Sul. Em regiões quentes, como o Cerrado, o morango também pode ser cultivado, porém os agricultores devem armazenar as mudas a 4ºC, por cerca de 15-20 dias, para, posteriormente, plantá-las nos canteiros definitivos.

Para exibir todo o seu potencial produtivo, o morangueiro necessita de dias curtos e temperaturas amenas ou baixas. Essas condições estimulam o florescimento e, consequentemente, a produção dos frutos. Por outro lado, sob condições de dias longos e temperaturas elevadas, o crescimento vegetativo é estimulado.

O conhecimento desses aspectos é útil para definir a época de plantio e/ou a época para a produção de mudas. Dessa maneira, o plantio do morangueiro para a produção de frutos deve ser feito de fevereiro a maio, enquanto que para a produção de mudas a época preferencial é de setembro a outubro.

Espaçamento e mudas necessárias

a) produção de mudas: entre 1,5 a 3,5 m2 por matriz, obtendo-se de 75 a 150 mudas por metro quadrado para a maioria dos cultivares;

b) produção de frutos: 30 X 30 a 35 cm, sendo as plantas dispostas em quadrado ou quincôncio, em canteiros com 2 a 4 fileiras, em função do porte do cultivar e da umidade do ar no local. São utilizadas de 65 a 80 mil mudas por hectare, de acordo com o espaçamento e a área de carreadores utilizados.

Técnicas de plantio

Canteiros com 20 a 50 cm de altura, em função da textura do solo (maior para os pesados), e geralmente 1,2 m de largura, para 4 fileiras de plantas. As mudas são normalmente comercializadas de raiz nua e plantadas diretamente nos canteiros de produção de frutos.

O enviveiramento em canteiros durante 30 dias, ou o estabelecimento em recipientes, diminui a morte de mudas no transplante e propicia colheitas mais precoces. O plantio é manual.

Produção de mudas

  • Deve constituir atividade distinta da produção de frutos, envolvendo a produção de matrizes em telado (melhor com cobertura de filme plástico) e a multiplicação das matrizes em campo.
  • Propagar em telado apenas clones livres de vírus.
  • Adotar sistema de propagação em bandejas ou outros recipientes, sem contato direto com o solo, usando substrato ou composto desinfestado quimicamente ou por calor.
  • Manter rigoroso controle fitossanitário e tomar medidas para evitar mistura de cultivares.
  • Fazer a multiplicação de campo em terrenos de meia encosta, afastados pelo menos 300 m de outros lotes de morangueiro.
  • Usar glebas em pousio, ou cultivadas com leguminosas ou gramíneas, por 2 anos ou mais.

Viveiristas especializados, registrados e fiscalizados pela Secretaria da Agricultura e Abastecimento, vêm produzindo a maior parte das mudas consumidas em São Paulo, contudo, muitos produtores de frutos produzem as mudas que usam.

O Instituto Agronômico vem fornecendo matrizes básicas de morangueiro livres de vírus desde 1968. Cooperativas e empresas privadas, algumas utilizando micropropagação in vitro, vêm produzindo matrizes.

Colheita

o início depende do clima da região, variando de abril (Piedade, culturas de “soqueira” ou “tiguera”), maio (Atibaia/Jundiaí) a junho (regiões de clima mais quente), podendo estender-se até dezembro, com pico em agosto e setembro. É feita manualmente, no ponto de colheita “maduro” para fins industriais e de “1/2 a 3/ 4 maduro”, para comercialização in natura. São necessárias seis pessoas fixas por hectare e mais seis no pico de colheita.

Comercialização

Em caixetas (cumbucas) de madeira, de papelão ou de poliestireno expandido (isopor), com capacidade entre 250 e 800 g. Os frutos geralmente são dispostos em fileiras em uma ou duas camadas.

Para mercado mais nobre já se utiliza caixa plástica transparente e com tampa. A classificação é por tamanho, sendo “extra” acima de 14 g e “de primeira” de 6 a 14g. Para uso industrial a fruta é embalada solta, em caixas de madeira com 5 Kg.

A conservação do fruto é favorecida em atmosfera com 20% de gás carbônico (CO2); a cobertura da embalagem com filme plástico retarda a deterioração por reter CO2 produzido pelos frutos.

Tratos culturais

. Irrigação. O morangueiro exige grande disponibilidade hídrica para atingir altas produções. As irrigações devem, inicialmente, ser diárias até 30-40 dias após o plantio, e depois, a cada duas vezes por semana. Podem ser realizadas por aspersão ou gotejamento. Devem-se evitar irrigações excessivas que podem facilitar a incidência de doenças na lavoura.

. Cobertura do solo (mulching). A cultura do morangueiro exige a cobertura do solo para evitar o contato dos frutos com o mesmo, e dessa maneira a proliferação de fungos causadores de podridões. Além disso, a cobertura do solo propicia um bom controle de ervas invasoras, a manutenção da umidade e evita a morte das raízes superficiais.

Em trabalho realizado com o cultivar Chandler foi comprovado um aumento em termos de produção na ordem de 50 a 60% em relação ao cultivar sem cobertura, quando se utilizou cobertura do solo com diversos tipos de plásticos. Aliás, diversos materiais têm sido pesquisados e utilizados para este fim, desde produtos naturais até os sintéticos; atualmente o mais usado e que na realidade parece ser o melhor é o polietileno preto.

Porém, outros materiais utilizados, como fita de madeira picada, casca de arroz, palha de cereais, bagaço de cana picada, capim sem semente, acículas de pinus, serragem e outros. A cobertura do solo deve ser feita logo após o plantio das mudas.

Cultivares

. Dover – origem: Univ. Florida, EUA, 1979. Produtividade alta, fruto firme de boa conservação pós-colheita. Adequado para mercados distantes das áreas de produção. Apresenta tolerância a fungos de solo. Tornou-se nos últimos anos a cultivar mais plantada no Brasil.
. Campinas (IAC-2712) – origem: IAC, Campinas, Brasil, 1960. Cultivar para mesa, boa produtividade, fruto doce. Apresenta pouca exigência em frio, sendo por isso especialmente indicada para plantios visando colheita precoce.
. AGF 80 – origem: Agroflora, Brasil. Cultivar com características semelhantes à Campinas.
. Oso grande – origem: Univ. California, EUA, 1987. Cultivar para mesa, fruto grande, firme e doce. Grande aceitação no mercado. Sensível a fungos de solo.
. Camarosa – origem: Univ. California, EUA, 1992. Cultivar para mesa, precoce, fruto grande, firme e de bom sabor, coloração interna vermelho intenso. Resistente ao transporte.
. Sweet charlie – origem: Univ. Florida, EUA, 1997. Cultivar para mesa, precoce, fruto firme e doce. Alta produtividade.
. Tudla (milsei) – origem: Tudela, Espanha, 1992. Cultivar para mesa, fruto grande e firme, coloração vermelho brilhante. Sensível a fungos de solo.
. Seascape – origem: Univ. California, EUA, 1991. Cultivar de dia neutro. Fruto grande e firme, coloração vermelha externa e interna. Sensível a fungos de solo. Mais indicada para regiões serranas do sul do Brasil, para cultivo de verão.
. Toyonoka – origem: Japão, 1975. Fruto de excelente aroma e sabor, produtividade média. Normalmente consegue preço diferenciado no mercado.
. Guarani (IAC-5074) – origem: IAC, Campinas, Brasil, 1979. Fruto cônico, sabor ácido, coloração vermelha externa e interna. Boa produtividade. Mais indicada para industrialização.
. Pelican  – origem: Depto. de Agric. dos EUA, Louisiana, 1996. Planta vigorosa, fruto atrativo, simétrico, grande, firme, de boa coloração. Possui sabor e aroma acentuados.

Doenças

O morangueiro é atacado por uma série de doenças que podem ser agrupadas, de maneira didática, em diferentes grupos, de acordo com o agente causal: doenças causadas por fungos, por bactérias, por vírus e por nematóides.

. Fungos. Nesse grupo estão as doenças fúngicas, cujas principais são: Antracnose, manchas foliares, murchas e podridões dos frutos. Como medidas para o controle recomenda-se o uso da cobertura do canteiro com filme de polietileno, a colheita nos períodos mais secos do dia, o transporte e o armazenamento em baixas temperaturas, e o uso de fungicidas específicos.

. Bactérias. Nesse grupo ocorre uma doença conhecida por mancha-angular, causada pela bactéria Xanthomonas fragariae. Essa doença foi um problema potencial na segunda metade da década de setenta, sendo controlada através de um rigoroso programa de erradicação das mudas e plantas contaminadas. Atualmente é uma doença sob controle.

. Vírus. No morangueiro ocorrem diferentes tipos de viroses: mosqueado, que é o tipo mais comum, clorose marginal, encrespamento e faixa das nervuras. O controle para viroses deve ser feito através: de mudas sadias; da eliminação de plantas doentes; do controle dos insetos vetores (pulgões); da utilização de matrizes testadas e isentas de viroses.

. Nematóides. Como nematóides parasitas do morangueiro, podemos encontrar: Aphelenchoides besseyi, parasita da parte aérea; Meloidogyne hapla, parasita das raízes e Pratylenchus vulnus, parasita das raízes. Como conseqüência do ataque de nematóides ocorre uma maior dificuldade para a planta absorver água e nutrientes, o que leva ao aparecimento dos sintomas: murchamento; amarelecimento; subdesenvolvimento e redução da produção. Para controlar os nematóides recomenda-se: uso de mudas sadias; arrancar e destruir plantas contaminadas; evitar plantio em áreas já contaminadas; rotação de culturas; revolvimento do solo em períodos quentes do dia.

Site: EMBRAPA: http://www.cnpmf.embrapa.br/

Continue Reading
Click to comment

0 Comments

  1. Marcos

    29 de julho de 2015 at 23:33

    Não é um comentário, mas sim uma pergunta!!!
    Quero iniciar o cultivo de morangos suspenso do solo, o que fazer? Consigo financiamento para fazer os viveiros e iniciar a produção? Onde? Não trabalho na agricultura, mas já trabalhei na lavoura de café á muito tempo a traz,O governo ajuda para dar o ponta pé inicial?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement

Title

Ganhar dinheiro com Blog Ganhar dinheiro com Blog
Dinheiro3 semanas ago

Como ganhar dinheiro com blog

Nos dias de hoje, ganhar dinheiro com blog, trabalhando unicamente no conforto de sua residência pode se tornar uma realidade....

Dinheiro Extra Dinheiro Extra
Dinheiro3 semanas ago

Dinheiro Extra

Na hora de organizar as finanças, sabemos que qualquer adicional no final do mês já é capaz de fazer uma...

Dinheiro3 semanas ago

Finanças Pessoais

Finanças pessoais para muitos, tornou-se sinônimo de pesadelo. A boa notícia é que não há nenhum segredo oculto para administrar essa...

Crédito Pessoal Crédito Pessoal
Dinheiro3 semanas ago

Crédito Pessoal

O crédito pessoal nada mais é do que um empréstimo realizado para pessoas físicas. Diversas empresas e instituições bancárias oferecem...

Dinheiro3 semanas ago

Empréstimo Pessoal Online

O surgimento de muitas empresas de crédito propiciaram vantagens ao trabalhador endividado. Uma delas é o empréstimo pessoal, que o...

Gerenciador Financeiro Gerenciador Financeiro
Dinheiro3 semanas ago

Gerenciador Financeiro

Controlar com cuidado o próprio dinheiro é a melhor forma de saber onde os gastos estão indo, como melhorar e...

Dinheiro3 semanas ago

Simulador de Financiamento

Simular um financiamento é a melhor forma de saber o quanto você terá que pagar em cada parcela, estabelecer a...

Empréstimo Pessoal Empréstimo Pessoal
Dinheiro3 semanas ago

Empréstimo Pessoal

O empréstimo pessoal sempre é uma solução buscada em momentos de grande sufoco e apesar de ser uma alternativa muito...

Dinheiro3 semanas ago

Como Juntar Dinheiro

Muitas vezes nossos sonhos demandam de certa quantia de dinheiro para serem realizados. No entanto, juntar esse valor parece ser...

O que fazer para Ganhar Dinheiro O que fazer para Ganhar Dinheiro
Dinheiro3 semanas ago

O que fazer para Ganhar Dinheiro

Nem sempre a renda fixa do trabalho é o suficiente para alcançar objetivos financeiros. Por isso, muitas pessoas buscam uma...

Advertisement

Trending