Ideias de Negócios

Sabonete e Sabão de glicerina – Saiba como fazer

 

 

 

By  | 21/04/2018

Saiba como fazer Sabonete e Sabão de Glicerina gastando pouco e sem cometer erros. Ganhe muito dinheiro fabricando sabonete e sabão de glicerina, aprenda tudo, investimento, localização, equipamentos, fornecedores, mercado, concorrência, riscos, legislação, mão de obra especializada, captação de cliente, financiamento, atendimento e muito mais…

FICHA TÉCNICA
Setor da Economia: Secundário
Ramo de Atividade: Indústria
Tipo do Negócio: Fabricação de Sabonete e Sabão de Glicerina

Sabonete e Sabão de Glicerina

Segundo especialistas no assunto, fabricar sabonete e sabão é como cozinhar, basta seguir a receita (no caso, a fórmula básica) e ir acrescentando os ingredientes, porém, primeiro é preciso saber que o sabão é um sal obtido da reação química entre um ácido graxo superior (sebo, gorduras, óleos vegetais e animais) e uma base inorgânica, que pode ser o hidróxido de sódio ou de potássio. Após essa reação é necessária a realização da salgadura com cloreto de sódio (sal de cozinha). Nesse momento, ocorre a separação da “massa” (sabão) e a lixívia (parte líquida). O produto final obtido apresenta um ponto de fusão entre 230 e 270ºC.

Mercado

Por se tratar de produto de limpeza o consumo de sabonete é grande, atingindo tdas as classes sociais, porém, é um mercado bastante competitivo devido a presença de grandes fabricantes.

Estrutura

Não se pode indicar com precisão as dimensões de um local e/ou a maquinaria para este tipo de atividade, visto que vai variar de acordo com o tipo do produto.

Equipamentos

Os equipamento irão variar de acordo com o tipo do produto, porém, alguns equipamentos são essenciais para esta atividade:

– Caldeiras (Onde são misturados os ingredientes da fórmula);
– Máquina de Corte (Faz o corte nos tamanhos desejados (barras));
– Mesa Cortadora (Para o corte em pedaços menores);
– Prensas (Da a forma ao sabão/sabonete, além de gravar o nome do fabricante);
– Tanques de Molde (Faz a modelagem);
– Móveis e equipamentos para o escritório (fax, computadores, etc..).

Fórmulas

As formulações fornecidas são a título indicativo, sem qualquer garantia implícita ou declarada, nem qualquer responsabilidade assumida por quem as forneceu.
Por consequência, todas as sugestões, todas as fórmulas ou valores indicados, devem ser considerados como indicação orientadora sujeita a sucessivas elaborações e a desenvolvimentos ditados pela experiência de quem os utiliza.

A Glicerina

Este termo é destinado ao produto técnico que contém o glicerol puro, o qual é tridroxilado. A glicerina um líquido claro, quase incolor, com um gosto adocicado, mas sem cheiro. Foi preparada pela primeira vez por Scheele, em 1779, mediante o aquecimento do óleo de oliva com litargírio. Na lavagem com água, obtém-se uma solução adocicada, que dá, com a evaporação da água, um líquido pesado e viscoso; seu descobridor denominou-o o princípio doce das gorduras . Em 1846, Sobrero produziu pela primeira vez a nitroglicerina e , em 1868, Nobel absorveu-a em diatomita, tornando seguro o seu manuseio como dinamite. Estas descobertas provocaram aumento na demanda da glicerina.
A demanda era, em parte, satisfeita pelo desenvolvimento de um método, em 1870, de recuperação da glicerina e do sal das lixívias do sabão. Desde 1948, aproximadamente, o glicerol é produzido sinteticamente a partir de matérias-primas petroquímicas.

Fabricação da Glicerina

A glicerina pode ser produzida por vários processos diferentes, entre os quais são importantes os seguintes:

1) A saponificação dos glicerídeos (óleos e gorduras) para a fabricação do sabão;
2) A recuperação da glicerina formada na hidrólise das gorduras e óleos, visando à produção de ácidos graxos;
3) A cloração e hidrólise do propeno e outras reações que envolvem hidrocarbonetos petroquimicos.
Os novos processos 2 e 3 provocaram uma diminuição dos custos de produção da glicerina.

Sabões de glicerina

Há dois tipos de sabões de glicerina:

– Os que contém qualquer substância emoliente;
– Os que contém glicerina com a função hializantes, são os sabões transparentes.

Fórmula

Prepara-se um sabão de pasta de glicerina muito bom com a seguinte fórmula (receita):
Azeite – 9,0 p.
Óleo de coco – 4,5 >>
Lixívia de potassa a 40ºBé – 7,0 >>
Água – 2,0 >>
Álcool a 90º – 1,0 >>
Glicerina a 24ºBé – 6,0 >>
Essência de rosas, ou citronela e alfazema – q.b.
Modo de Preparo:
Agitar demoradamente a 45ºC e depois deixar secar em repouso. Após 5 horas verte-se nos moldes próprios.

Abaixo seguem algumas formulações para a fabricação de sabão e que possuem a glicerina em sua composição.

Sabões Transparentes

O fenômeno da transparência explica-se pela formação de uma solução do sabão no álcool, na glicerina ou nas soluções de açúcar e sais. A transparência obtém-se com o emprego de uma das seguintes substâncias ou da sua mistura: álcool etílico, glicerina, açúcar, colofónia, carbonato de sódio ou de potássio e cloreto de sódio.

Preparo:

– Para a preparação empregam-se pequenas caldeiras com um agitador de dupla parede, para o aquecimento da água quente ou com vapor, funde-se a mistura das gorduras a 60ºC aproximadamente e acrescenta-se a solução fria que foi calculada de soda cáustica a 38ºBé, mistura-se, e logo que se comece a produzir o calor de reação deixa-se a massa em repouso durante 2-3 horas. A seguir aquece-se novamente, até que a pasta fique dura e transparente; verifica-se que se conserva uma alcalinidade livre da ordem de 0,15%.

* Se for preciso acrescentar glicerina ou soluções de açúcar e sais sem álcool etílico, realiza-se a operação à temperatura aproximada de 90ºC, vertendo na massa as referidas soluções pré-aquecidas à temperatura aproximada de 80ºC.

* Se tiver de acrescentar álcool, convém deixar arrefecer a massa saponosa a 65ºC aproximadamente; acrescenta-se o álcool, mistura-se bem, e a seguir acrescenta-se rapidamente as outras soluções pré-aquecidas à temperatura aproximada de 70ºC.

– O acréscimo de colorante e do eventual perfume deve efetuar-se a uma temperatura não superior a 55-60ºC.
– À parte, misturam-se as seguintes substâncias, operando a 60ºC.
Lixívia de soda a 40ºBé – 15
Álcool a 96º – 12
Glicerina – 15
Glucose – 6
– Acrescenta-se a pouco e pouco na gordura, a uma temperatura não superior a 45ºC. Após a saponificação, dá-se cor e perfuma-se.
Sebo – 30
Óleo de coco – 30
Soda cáustica a 35ºBé – 34
Glicerina – 10
Água – 9
Álcool – 20
– Quando as gorduras estiverem saponificadas adiciona-se a glicerina e a seguir o álcool. Obs – Melhora-se o sabão se acrescentar uma solução de açúcar cristalizado.
– Saponificam-se em banho-maria a 70ºC, com 22 kg de lixívia de soda a 38º Bé:
Óleo de coco – 20
Óleo de rícino – 5
Sebo branco – 51
– A seguir acrescentam-se 20 kg de álcool a 96º e aquece-se; adicionam-se 10 kg de glicerina a 24ºBé, e finalmente, após ter aquecido a 75ºC, acrescenta-se uma solução de 6 kg de açúcar cristalizado dissolvido em 8 litros de água destilada, que se aqueceu a 75ºC.
– Deixa-se arrefecer um pouco e dá-se-lhe cor.
– Pode-se perfumar com:
Essência deterp. de bergamota – 26 g.
Essência de gerânio – 40 >>
Essência de rosas – 1-2 >>
– Quando o sabão tiver cessado de produzir espuma, arrefecer-se a 55ºC e verte-se em moldes baixos.

Lembretes:
* Quando se preparam os sabões transparentes convém que todas as gorduras, as lixívias, a glicerina, as soluções de açúcar ou glucose, o álcool, etc., estejam perfeitamente límpidos, devendo ser filtrados com cuidado;
* A água que serve para preparar as soluções deve estar isenta de cal, caso contrário, forma sabões calcários insolúveis que turvam o sabão.
* Se não se dispuser de água da chuva, emprega-se água comum, tratada com 1% de oxalato de amônio, que se filtra passada algumas horas. Ou, melhor, ferve-se a água com 3% de sabão de sebo, dissolvido numa pequena quantidade de álcool, filtrando-se a seguir.
* As cores devem estar perfeitamente dissolvidas e filtradas.
* Os perfumes que dissolvem-se no álcool, devem ser muito intensos e conterem um mínimo de substâncias não perfumadoras. Prefiram-se os que são solúveis em água ou em álcool diluído: essências deterpenadas, cumarina, geraniol, óxido de fenilo, terpinol, etilnaftol, musgo âmbar, anetol, cetonas, etc.
* Evitar os fenóis e os aldeídos que produzem facilmente nódoas.
* Fornecem sabões transparentes ou contribuem para sua formação as seguintes gorduras: óleo de coco, palma, rícino, linhaça, cânhamo, além de colofónia (a escura é melhor do que a clara, por ser mais facilmente saponificável. A colofónia clara dá bons resultados juntamente com o sebo e o rícino.
* O sebo e o óleo de algodão ou o azeite, por si sós, não podem fornecer sabões transparentes, mesmo que se junte muito álcool. Mas basta um pouco de óleo de rícino, ou de resina, para hialinizar a mistura.
* Como substâncias hialinizantes, isto é, capazes de produzirem soluções sólidas transparentes de sabão referem-se as seguintes: o álcool etílico, o álcool metílico (que, no entanto, apresenta um cheiro desagradável), a glicerina, o açúcar, a glucose (também o xarope de fécula preparado para o efeito), o carbonato de sódio cristalizado (não isolado), os derivados sulfónicos dos ácidos gordos, o lactato de sódio, alguns sulfonatos de álcoois superiores aromáticos, terpénicos, e complexos.
– Fusão:
Óleo de coco – 30
Sebo – 30
Óleo de rícino – 15
Óleo de linhaça – 10
Resina – 10
– Passar por um pano, e a seguir acrescentar, à temperatura de 60ºC: Lixívia de soda a 22ºBé – 95
– Agitar e deixar saponificar durante 2 horas. Levar à ebulição e acrescentar ácidos gordos de coco (com 100% de acidez) 5 p., e a seguir soda cáustica 10 p. Ferver durante alguns minutos, até cessar a formação de espuma. Acrescentar então, depois de interromper o aquecimento:
Glicerina – 15
Xarope de açúcar a 50% – 25
Álcool (com 0,1 – 0,2 de substâncias Perfumadoras e as cores) – 10
– Agitar e acrescentar ainda a quantidade necessária de soda cristalizada, de modo que uma amostra arrefecida fique com suficiente dureza (bastam aproximadamente 15 p.).
– Pode-se acrescentar ainda a água 20 p. e a mesma quantidade de soda.
– Verte-se em molduras baixas e deixa-se arrefecer lentamente.
Lembretes:
* O sabão transparente que se obtém é absolutamente neutro, isto é, não cáustico.
* Se as matérias forem puras e muito claras, o sabão fica um pouco amarelo como o âmbar.

Outras fórmulas para a preparação de sabões transparentes são as seguintes:
– Fórmula A :
Óleo de coco – 20 p.
Óleo de rícino – 20 >>
Sebo – 20 >>
Lixívia de soda a 38ºBé – 27 >>
Álcool – 15 >>
Açúcar – 25 >>
Água – 25 >>

– Fórmula B :
Óleo de coco – 50 p.
Óleo de rícino – 35 >>
Sebo – 50 >>
Glicerina – 40 >>
Açúcar – 30 >>
Carbonato de sódio cristalizado – 40>>
Água – 90 >>
Lixívia de soda a 38ºBé – q.b.

– Fórmulas Sem Álcool:
Fórmula A :
Sebo – 37
Óleo de coco – 22
Óleo de rícino – 27
Lixívia de soda a 37ºBé – 40
Açúcar – 24
Água destilada – 26

Fórmula B :
Óleo de coco – 50,00
Óleo de rícino – 30,00
Sebo – 30,00
Lixívia de soda a 38ºBé – 55,00
Glicerina – 12,50
Açúcar dissolvido – 6,25
Água a ferver – 6,25
Enchimento – 36,00

– Fórmula sem glicerina:
Sebo – 30,0
Óleo de coco – 25,0
Óleo de rícino – 30,0
Lixívia de soda a 37ºBé – 37,5
Álcool a 90º – 25,0
Água destilada – 10,0
Açúcar cristalizado – 10,0

– Fórmulas com glicerina:
Fórmula A :
Ácido esteárico – 25
Óleo de coco – 55
Óleo de rícino – 20
Lixívia de soda a 38ºBé – 50
Álcool a 90º – 90
Açúcar cristalizado – 20
Água destilada – 20
Glicerina branca a 28ºBé – 40

Fórmula B :
Sebo – 15
Óleo de coco – 15
Óleo de rícino – 20
Lixívia de soda a 38ºBé – 25
Álcool – 15
Açúcar – 15
Água – 15

– Fórmula com leticina:
Sabão quente fluido – 120,0
Lecitina – 0,5

– Fórmula com Glicerina:
Sebo depurado – 22,0
Óleo de coco extra – 22,0
Óleo de rícino – 30,0
Lixívia de soda a 36ºBé – 40,0
Glicerina a 28ºBé – 15,0
Açúcar – 20,0
Água destilada – 25,0
Álcool a 95º – 5,0
Perfume – 1,5

– Fórmula sem glicerina:
Sebo depurado – 22,5
Óleo de coco – 22,5
Óleo de rícino extra – 30,0
Lixívia de soda a 36ºBé – 40,5
Açúcar – 22,5
Água destilada – 26,0
Álcool – 9,0
Perfume – 1,5

– Fórmula com resina:
Sebo depurado – 30,0
Óleo de coco – 32,0
Resina Clara – 15,0
Lixívia de soda – 42,0
Glicerina – 15,0
Álcool – 27,0
Perfume – 1,5

Lembretes importantes

O maior problema está na compra da matéria-prima. Os grandes fornecedores não vendem em pequenas quantidades e quando o fazem as condições são desvantajosas;

– Os produtos naturais usados na fabricação de sabonetes costumam desaparecer do mercado durante alguns períodos;
– A empresa precisa ter um químico responsável e ser aprovada pelo Ministério da Saúde para funcionar;
– A um sabão obtido com lixívia de soda acrescenta-se uma quantidade igual de glicerina, enquanto ainda está em fusão, e a seguir vazam-se em moldes. Este sabão serve para misturar, por meio de uma refinadora, a glicerina sobre o sabão base. A mistura na refinadora faz-se com muita facilidade e dissolvendo um bom sabão (60 p. de sebo, 20 p. de óleo e 20 p. de coco) obtêm-se sabões de glicerina que se conservam muito bem e que apresentam um belo aspecto.

Legislação Específica

Torna-se necessário tomar algumas providências, para a abertura do empreendimento, tais como:
– Registro na Junta Comercial;
– Registro na Secretária da Receita Federal;
– Registro na Secretária da Fazenda;
– Registro na Prefeitura do Município;
– Registro no INSS;(Somente quando não tem o CNPJ – Pessoa autônoma – Receita Federal)
– Registro no Sindicato Patronal;

O novo empresário deve procurar a prefeitura da cidade onde pretende montar seu empreendimento para obter informações quanto às instalações físicas da empresa (com relação a localização),e também o Alvará de Funcionamento.
Além disso, deve consultar o PROCON para adequar seus produtos às especificações do Código de Defesa do Consumidor (LEI Nº 8.078 DE 11.09.1990).
Algumas legislações importantes:
LEI Nº 5991/73. Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de produtos de limpeza e higiene.
LEI Nº 6360/76. Dispõe sobre a vigilância a que ficam sujeitos os produtos de limpeza e higiene.
DECRETO Nº 793/93 – altera os decretos nº 74.710/74 e nº 79.094/77, que regulamentavam as respectivas leis, e da outras providências.
LEI Nº 9782/99. Cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, orgão fiscalizador.

Sites afins

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária: http://www.anvisa.gov.br
ABIPLA – Assoc. Bras. Indust. Prod. de Limp. e Afins: http://www.abipla.org.br
Base de Sabão de Glicerina‎: http://www.aliexpress.com
Fazer Sabão De Glicerina‎: http://www.alibaba.com/Sabão+De+Glicerina‎
Elo7 – Sabonetes glicerina‎: http://www.elo7.com.br/Sabonetes+Glicerina‎
Glicerinas para Sabonetes‎: http://www.momentodaarte.com.br
Detergentes Unikrafht‎: http://www.unikrafht.com.br/detergentes‎
Fábrica Sabonetes:

 

Referências:
SebraeIBGEDIEESEIPTInstituto DatafolhaInstituto IBOPEWikipédia, Jornal EstadãoJornal Folha de S.PauloJornal O Globo, Revista Exame, Revista Veja, MAPA, MCTI, MDA, MDIC, MMA, MME, MTE.

 

Copyright © Emprega Brasil – É proibido a reprodução, total ou parcial, do conteúdo sem prévia autorização.

Emprega Brasil

Emprega Brasil, site de empregos, trabalho e renda.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *