Ideias de Negócios

Como montar uma Distribuidora de Pescados

By  | 

Está precisando de dinheiro? Conheça empresa Americana que paga de U$ 2 a 15 mil dólares por trabalho realizado. Faça o cadastro e receba informações!

Saiba como montar uma distribuidora de pescados lucrativa gastando pouco e sem cometer erros, ganhe muito dinheiro com comércio de carnes de peixe, aprenda tudo, investimento, localização, equipamentos, fornecedores, mercado, concorrência, riscos, legislação, mão de obra especializada, captação de cliente, financiamento, atendimento e muito mais…

Distribuidora de pescados

FICHA TÉCNICA
Setor da Economia: Terciário.
Ramo de Atividade : Distribuidora de pescado.
Tipo de Negócio : Comércio de carnes de peixe.

Apresentação

A distribuidora de pescado visa atender a demanda sempre crescente do peixe como alimento, já que peixe é uma animal rico em proteínas, além do que para alguns povos, ele faz parte da sua alimentação básica.

Mercado

O mercado consumidor atual exige produtos com qualidade indiscutível, principalmente no que concerne a gêneros alimentícios e, dentre esses, àqueles que tem curto prazo de validade ou que se deterioram com facilidade, como, nesse caso, os pescados em geral.

Estrutura

A estrutura básica deve contar com uma área de cerca de 200 m², dividida enter o depósito e o escritório.

Equipamentos básicos

  • Câmara frigorífica
  • balcões frigoríficos
  • utensílios para cozinha e caminhão frigorífico
  • equipamentos de escritório (telefones, computadores, etc.)

Investimento

Irá variar de acordo com a estrutura do empreendimento.

Pessoal

O número de funcionários deverá ser em tonro de 5 (manipulador, motorista e vendedores).

Público alvo

O público alvo de uma distribuídora de pescado são hotéis, restaurantes, cozinhas industriais e revendedores voltados para o varejo, que costumam comprar boas quantidades e exigem o cumprimento à risca dos prazos estabelecidos, nesse caso, deve-se contar com parcerias para a manutenção desse tipo de clientela.

Vendas

As melhores vendas acontecem no verão, quando aumenta a procura por alimentos leves, para enfrentar a entressafra, período em que os preços sofrem aumentos consideráveis, é conveniente manter um elevado estoque.

Para isso, o empresário deve ter um sistema de resfriamento eficiente, que conserve ao máximo as características naturais do pescado acondicionado no estoque, lembrando-se sempre, do curto período que o produto pode ficar armazenado, sem perder as referidas características, ao ponto de tornar imprópria a sua comercialização.

O preço

Os preços são outro detalhe importante, não podem ser muito altos a ponto de comprometerem a disputa com a concorrência, que costuma ser grande, e nem tão pequenos ao ponto de inviabilizarem a manutenção do empreendimento.

Se o distribuidor pretender alcançar o interior, ou até outros Estados da Federação, o cuidado deverá ser redobrado visando manter o padrão de qualidade do pescado, além de haver um aumento no preço em virtude do frete.

Para tanto, como em qualquer empreendimento, um bom planejamento de vendas e controle de custos, será de suma importância.

Higiene

É o fator mais importante e que não poderá ser esquecido em hipótese alguma, visto que, uma empresa desse tipo é alvo constante de fiscalização, oficial e dos próprios consumidores.

Os detalhes que devem ser observados, são: os aspectos da empresa (instalações, paredes e chão limpos, odor do ambiente), os trajes dos funcionários que manipulam os produtos, sua aparência física (cabelos, unhas), etc., e se esses detalhes não o agradarem, fatalmente a empresa perderá pontos em seu conceito e se arriscará a perder a ele mesmo, com uma velocidade espantosa.

Novos serviços

A empresa pode ampliar o faturamento criando um serviço do tipo “disque peixes”, para consumidores finais, onde a entrega pode ser feita através de “moto-boys” terceirizados, onde o pescado seria vendido já limpo ou, em alguns casos, temperado e pronto para ser preparado, utilizando-se algumas receitas simples que, com certeza, encantarão a clientela.

Ou, ainda, pode-se disponibilizar ao consumidor final, as chamadas “butiques de carnes”, nesse caso, de peixes, onde o cliente tem à sua disposição os mais variados tipos de cortes, postas, filés, pratos semi-prontos, sugestões de preparo, temperos, molhos, etc.

Entretanto, para esse diferencial, a localização da empresa e o layout da loja serão imprescindíveis para seu sucesso. Deve-se direcionar a venda para um público-alvo com um melhor poder aquisitivo e, obviamente, os gastos com a implantação e manutenção da loja serão maiores. O controle de custos deverá ser ainda maior.

Alguns fatores que devem ser levados em consideração por parte do empreendedor

– O empreendedor deve conhecer bem o ramo em que irá ingressar, tendo bons contatos na indústria da pesca;
– Conhecer os detalhes, como épocas de pesca dos mais variados tipos de peixes, locais de abundância e, principalmente, os profissionais que vão ao mar e lhe venderão o produto;
– Contar com profissionais confiáveis e que forneçam produtos de excelente qualidade;

Legislação Específica

Torna-se necessário tomar algumas providências, para a abertura do empreendimento, tais como:
– Registro na Junta Comercial;
– Registro na Secretária da Receita Federal;
– Registro na Secretária da Fazenda;
– Registro na Prefeitura do Município;
– Registro no INSS;(Somente quando não tem o CNPJ – Pessoa autônoma – Receita Federal)
– Registro no Sindicato Patronal;

O novo empresário deve procurar a prefeitura da cidade onde pretende montar seu empreendimento para obter informações quanto às instalações físicas da empresa (com relação a localização),e também o Alvará de Funcionamento.
Além disso, deve consultar o PROCON para adequar seus produtos às especificações do Código de Defesa do Consumidor (LEI Nº 8.078 DE 11.09.1990).

As Distribuidoras de pescados estão submetidas a uma rigorosa legislação de controle sanitário. As principais exigências dizem respeito às instalações, condições de manipulação e de armazenamento de produtos. Toda a carne deve ser previamente inspecionada pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF). As congeladas embaladas devem ter etiquetas que identifiquem origem, tipo
de corte, data de embalagem e prazo de validade.
Para maiores informações consultar a ANVISA.

Entidades

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária: http://www.anvisa.gov.br
Ministério da Agricultura e do Abastecimento: http://www.agricultura.gov.br/

Referências:

SebraeIBGEDIEESEIPTInstituto DatafolhaInstituto IBOPEWikipédia, Jornal EstadãoJornal Folha de S.PauloJornal O Globo, Revista Exame, Revista Veja, MAPA, MCTI, MDA, MDIC, MMA, MME, MTE.

Copyright © Emprega Brasil – É proibido a reprodução, total ou parcial, do conteúdo sem prévia autorização.

Emprega Brasil, site de empregos, trabalho e renda.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *